Cálculo do Absorvedor de Membrana

In blog by zasnicoff

absorvedor de membranaQuando escrevi sobre o funcionamento do Absorvedor de Membrana, fiquei devendo uma fórmula para o cálculo da frequência de atuação.

Projetar e construir seus próprios absorvedores é uma maneira econômica de começar o tratamento acústico do Home Studio. Mas não é só isso que resolve!

A matemática é relativamente simples. Difícil é conseguir prever qual o grau de atenuação, então eu recomendaria como ponto de partida, uma membrana de 2 metros quadrados.

Como vimos no outro artigo, a membrana é responsável por transformar energia sonora em movimento mecânico, atenuando a intensidade de determinados sons.

Lembre-se que a caixa (estrutura) que suporta a membrana deve ser tão selada quanto possível, para aumentar a eficiência do absorvedor.

Vamos ao cálculo:

f = Frequência central que se deseja absorver (Hz, Hertz). Esta frequência normalmente equivale a um dos modos ressonantes da sala, variando de 40 a 250Hz. Vários absorvedores podem ser construídos para a mesma ou diferentes frequências.

M = Densidade SUPERFICIAL da membrana (kg/m2, kilograma por metro quadrado). Repare que a maioria dos materiais não é fornecida com esta especificação. Às vezes você encontrará os dados da densidade volumétrica (kg/m3), que não é a mesma coisa. O jeito mais fácil é pesar uma peça do material e dividir pela área desta peça. Por exemplo, uma grande chapa de compensado de 4 m2 com peso de 7 kg tem M = 7/4 = 1,75 kg/m2.

d = Distância entre a membrana e a parede (m, metros). Se a membrana estiver montada em uma caixa rígida, esta é a distância até a chapa traseira. Esta distância normalmente varia de 5 a 30 cm, para não roubar muita área da sala.

FÓRMULA:

formula absorvedor membrana

 

 

Repare que você pode “brincar” com M e d para conseguir a mesma frequência de absorção. Uma membrana mais rígida e mais próxima, ou menos densa e mais distante da parede.

Cuidado, no entanto, com membranas muito rígidas (que terão muita dificuldade para vibrar) ou muito frágeis (que poderão se deformar ou quebrar). Dependendo do tamanho do absorvedor, um compensado de 2 mm é um bom ponto de partida. Mas vale experimentar qualquer tipo de material que se encaixe na fórmula e ofereça flexibilidade, como por exemplo, o plástico.