Segredos de Eddie Kramer para Voz, Baixo e Efeitos

In blog by zasnicoff

ek_headerLançar plugins com a assinatura de lendários produtores e engenheiros virou mania entre os grandes fabricantes.

Além da possibilidade de se criar um produto diferenciado, que foge do lugar comum, estes plugins prometem a sonoridade clássica de muitos artistas e álbuns famosos.

Afinal, quem não gostaria de insertar um plugin e conseguir aquele som, sem precisar ficar horas e horas ajustando os parâmetros!? A verdade é que muita gente nem sabe e nem quer saber para que servem os vários botões. Apenas desejam que os vocais soem profissionais, que o baixo tenha aquela pegada.

Que tal usar um Channel Strip para guitarra igual ao de Jimi Hendrix? Que efeitos os grandes engenheiros usavam para gravar e mixar vozes? E como eles eram configurados?

Eddie Kramer compartilhou na sua página do site da Waves alguns diagramas manuscritos com detalhes sobre os efeitos utilizados por ele, os quais foram usados como base para o desenvolvimento dos plugins da sua série. Muito interessante!

Aqui estão eles (tomei a liberdade de traduzir as anotações e incluir notas):

CANAL DE VOZ

vocal1_ek
– Equalizador: ganho de 2dB em 400Hz
– Equalizador Valvulado: ganho de 2dB em 8kHz / 7kHz ou 6.8kHz
– Compressor: Ratio 4:1, attack lento, release rápido
– Mandadas: Slap Delay e Reverb (detalhados abaixo)

Obs.: Repare como existe um ganho na banda mais intensa dos vocais, que quase sempre está em torno de 400 ou 500Hz, e outro na penúltima oitava, para realçar a inteligibilidade/presença. O ataque lento permite que os transientes das consoantes não sejam limados, criando uma dinâmica no início das frases que tem muita relação com a interpretação do cantor. Particularmente, também adoro usar ataque lento nos vocais, ao contrário do que muita gente ou literatura recomenda.


CANAL DE BAIXO

bass1_ek
– Equalizador Valvulado: ganho de 8dB em 200Hz e 6dB em 1.5kHz
– Compressor: release automático, redução de ganho de 8-10dB
– Limiter

Obs.: Mais uma vez, vemos apenas ganhos no equalizador, um tipo de processamento que sugere uma “sonoridade” para o instrumento. É claro que cortes no EQ são muito comuns e, naturalmente, cada gravação e cada projeto provavelmente pedirá atenuações em algumas bandas para a retirada de ressonâncias e gerenciamento de conflitos na mixagem. O Compressor com release automático se encarrega de ajustar o sustain de cada nota e o Limiter traz o “grunhido” com soft clipping e controla os eventuais ataques rápidos e mais intensos que passaram pelo compressor.

CANAL DE EFEITOS

effects1_ek
– Delay: do tipo “fita”, com 30% de feedback, atrasos 15ips ou 7.5ips (velocidade da fita). A última oitava tem low-pass, criando um roll-off típico de fita.
– Reverb: Clássico EMT 140 ou Lexicon 960 em “fat plate”, com RT60 de 2 segundos. Pre-delay idêntico ao delay acima (150 ou 300ms), sem feedback.

Obs.: De acordo com a velocidade da fita e a distância entre as cabeças de gravação e playback, eu diria que 15ips equivale a aproximadamente um delay de 150ms (slap back) e 7.5ips equivale a cerca de 300ms (echo delay). Efeitos clássicos, sobretudo para voz, usando duas mandadas: delay e delay+reverb. O tipo “plate” é um dos preferidos para vocais e os delays relativamente longos evitam mascaramentos.



É sempre bom aprender com os mestres. Mas algo me diz que para soar como Led Zeppelin ou Kiss, vamos precisar de muito mais do que alguns plugins emuladores assinados por Eddie Kramer…