O Som do Coldplay no Estádio

In blog by zasnicoff

Problemas técnicos ou expectativas erradas do público?

Um projeto de áudio e acústica, SEMPRE irá priorizar algumas posições de público, em detrimento de outras. Isso vale para um Home Studio de 4 metros quadrados ou para o Estádio do Morumbi.

Num estúdio de mixagem, o tratamento acústico visa otimizar o som para a posição de audição do técnico. É só se afastar alguns metros do “sweet spot” para notar uma boa diferença no som – timbre e volume- principalmente quando o tratamento não é dos melhores. Num estádio de futebol, torres de som adicionais são estrategicamente posicionadas na pista para que o público mais distante não seja TÃO prejudicado, embora sempre existam prejuízos.


show_coldplay_sp_por_m_rossi

Como esperar que o som seja “bom” em qualquer posição do estádio? É tecnicamente impossível. Quanto ao volume, precisamos re-aprender a escutar em níveis saudáveis.


detalhe_show_coldplay_sp_por_m_rossi

No House Mix, no centro da pista, o engenheiro de som regula o som e o volume. 4 torres de delay foram usadas para aumentar o volume, sobretudo nas arquibancadas – uma configuração normal para este tipo de show.


Não é à toa que os melhores assentos de uma apresentacão sinfônica são rapidamente esgotados. São os assentos centrais das primeiras fileiras da sala de concerto. Também não é por acaso que os lugares mais próximos do palco são os mais caros. Tanto pelo visual, quanto pelo som. Aliás, bota caro nisso, ingresso cheio deveria se chamar ingresso de trouxas.

O som na pista vip estava ótimo, não tenho do que reclamar. Mas é dureza ter que desembolsar R$1.000 para curtir um show legal com minha esposa (e poder escutar bem), enquanto marmanjos que não são estudantes pagam meia. É ÓBVIO que quem paga inteira, paga o preço por ser honesto. Mas este artigo não é para discutir esse ponto…

Li diversas matérias e discussões sobre o show de ontem e, aparentemente, o problema polêmico do som pode ser dividido em duas partes:

1) Parece que houve uma grande diferença de volume entre a pista e a arquibancada, relatada por alguns como um “atraso” ou “eco”.

Isso sugere uma falha técnica, grave, que realmente não pode ser perdoada. Não acho que o volume estava muito mais baixo (apenas dentro do normal para lugares distantes), mas problemas de delays causam perda de inteligibilidade e para muitas pessoas isso soa como “baixo”.

Em todo caso, foi o primeiro show do Coldplay em um estádio. É possível que a equipe técnica tenha errado nos cálculos de torres e atrasos. Som ao ar livre requer uma monitoração constante e mesmo as pequenas diferenças de temperatura durante o show podem impactar no resultado sonoro.

2) O volume estava adequado para uma audição saudável e não dá para comparar o estilo musical, por diversas vezes intimista, com o som de uma banda como o Metallica.

Cada estilo pede um volume, o que muitos autores chamam de “realidade acústica”. Quem foi ao show esperando sentir o peito tremer, ficou decepcionado, mas a banda e a equipe técnica não podem ser culpados.

A dinâmica estava boa para uma apresentação deste porte, com som limpo e claro. Podia-se perceber todos os instrumentos e finalmente pude sair de um show sem zumbidos no ouvido. Já é mais do que sabido que os jovens estão ficando surdos e cada vez mais sentem necessidade de volumes exageradamente altos. Ou nos rendemos a isso, agravando o ciclo, ou começamos a mudar conceitos.

Tenho a sensação que a banda, além de respeitar normas louváveis de volume máximo por tempo de exposição, atendeu corretamente às demandas de dinâmica, limpeza e volume do seu estilo musical.


Adoraria ver resultados de análises técnicas, talvez alguém ou algum órgão tenha medido os volumes, nível de ruído de fundo e atrasos. Por enquanto, fico com minhas teorias, podendo relatar somente o que EU estava escutando, na MINHA posição.

Eu nunca fui um grande fã de apresentações deste porte. Justamente porque não se pode esperar muito do som e raramente se consegue enxergar o palco ou o artista. Mas sabemos que um show é muito mais do que o som. E neste sentido, achei de muito bom gosto os recursos visuais utilizados (destaque para os telões de EXCELENTE imagem, com edição ao vivo), cores, luzes e efeitos. Simples, mas eficazes.

Um show justo. Se eu fosse um GRANDE fã de Coldplay, provavelmente se tornaria memorável. Quanto aos malandros que tiram falsas carteiras de estudante para pagar meia , sem comentários…